Uso de vídeo mobile: perspectiva global

Vídeos de longa duração são cada vez mais assistidos no celular, segundo estudo global do IAB
 
Levantamento aponta que 1 em 5 pessoas consomem conteúdo audiovisual no celular enquanto veem TV; 43% dos brasileiros assistem vídeos no celular com duração superior a cinco minutos, diariamente ou frequentemente
 
Diferente do que se imagina, vídeos de longa duração são cada vez mais assistidos em smartphones, segundo estudo “Uso de vídeo mobile: perspectiva global”, realizado pelo IAB (Interactive Advertising Bureau) em 24 países, incluindo o Brasil.  Mais de 35% dos entrevistados disseram assistir, diariamente ou frequentemente, vídeos com duração superior a cinco minutos pelo celular. Os brasileiros estão acima da média global: 43% declararam ter esse hábito. Consumidores de países como Turquia, Finlândia, China, Rússia e Singapura, são os que lideram o ranking.
 
Um número significativo de espectadores de vídeo em smartphones tem aumentado ano a ano em todas as nações participantes do estudo, com destaque no último ano para Estados Unidos (50%), Canadá (42%), Nova Zelândia (42%), África do Sul (42%) e Reino Unido (40%). No Brasil, 37% disseram assistir mais vídeos pelo celular atualmente do que há um ano e 50% revelaram que veem a algum conteúdo audiovisual quando estão conectados à rede Wi-Fi. 
 
Baixe a pesquisa completa preenchendo o formulário ao lado.
 
Essa movimentação também está impactando no hábito de consumir televisão tradicional. Consumidores na China (37%) e Singapura (35%), principalmente, relatam assistir menos TV linear devido ao maior uso do celular para conteúdo audiovisual. Entre os brasileiros, esse dado é de 22%. Também  cerca de 22%, na média dos 24 países, disseram assistir TV e vídeos pelo celular simultaneamente. Essa tendência é crescente em todos os mercados, com exceção do Japão. 
 
Segundo Anna Bager, VP sênior de Mobile e Vídeo do IAB, a popularidade do vídeo online em telas pequenas é expressiva no mundo todo. “O fato das pessoas estarem consumindo cada vez mais conteúdo, com duração maior, pelo celular representa uma nova oportunidade na relação das marcas com seus consumidores. Ao mesmo tempo, o consumo simultâneo de várias telas, como TV e celular, também aponta para um desafio da indústria da publicidade: como atrair a atenção do seu público quando está dividida em duas ou mais telas?”, comenta. 
 
Nos 24 países incluídos na pesquisa, o vídeo mobile é consumido através de canais como Youtube (62%), plataformas de mídias sociais (33%), resultados de pesquisa (20%) e publicidade (14%).  A publicidade em vídeo mobile tem ainda uma maior penetração nos Estados Unidos (22%) e Canadá (18%). Aplicativos também foram apontados por quase metade dos entrevistados, 48%, como outro importante canal para consumo de vídeo no celular. Reino Unido (63%), Brasil (60%) e Turquia (58%) lideram nesse formato de mídia.
 
Baixe a pesquisa completa preenchendo o formulário ao lado.
 
Mais de um quarto das pessoas (28%), em todos os países participantes, disseram ter visto alguma publicidade em vídeo mobile já veiculada anteriormente na TV. Esse dado é superior na França (38%), Turquia (36%), Finlândia (35%) e nos Estados Unidos (35%). Mais de 80% manifestaram interesse em qualquer tipo de publicidade em vídeo e não demonstraram descontentamento com essa possível duplicidade. Para Joe Laszlo, diretor sênior do centro de excelência de mobile marketing do IAB, quando a publicidade está direcionada ao perfil de público correto, há interesse e abertura também em consumir esse tipo de conteúdo em vídeo mobile. "É uma boa estratégia para os anunciantes se conectarem com seu target e garantirem o alcance da audiência”, acredita.
 
Além da publicidade, o estudo mostra que há potencial para monetização do vídeo mobile por meio de subscrição e modelos pay-on-demand. Em vários mercados, consumidores demonstraram interesse em também pagar por pacotes de conteúdo de vídeo sem publicidade: China (37%), Reino Unido (32%), Dinamarca (36%) e Estados Unidos (30%). Porém 78%, na média geral dos 24 países, preferem consumir vídeo mobile gratuitamente sendo custeado pela publicidade. No Brasil, 18% pagariam por conteúdo em vídeo sem publicidade versus 83% que preferem o modelo mais utilizado de acesso gratuito sustentado pelo mercado anunciante.
 
Para ter o conteúdo na íntegra do estudo “Uso de vídeo mobile: perspectiva global”, basta acessar o link: www.iab.net/mobilevideousage.
 
Metodologia
 
Um questionário com 20 perguntas foi distribuído entre 14 de abril e 11 de maio de 2015, em 24 países: Argentina, Austrália, Áustria, Brasil, Canadá, China, Colômbia, Dinamarca, Finlândia, França, Itália, Japão, México, Nova Zelândia, Portugal , Rússia, Singapura, África do Sul, Espanha, Suécia, Suíça, Turquia, Reino Unido e Estados Unidos. Participaram 4.800 consumidores (200 de cada país), com mais de 16 anos, que possuíssem smartphone. Todos os entrevistados receberam as mesmas perguntas: frequência de observação, gêneros de vídeo mobile assistidos, em quais plataformas eles veem vídeos mobile, periodicidade, como eles assistem vídeo mobile, se compartilham o conteúdo e se vêem publicidade enquanto assistem a algum vídeo mobile.
 
Baixe a pesquisa completa preenchendo o formulário ao lado.
 
 
 

Insira seu email para efetuar o download